Sentimentos contraditórios, histórias, medos, angústias e alegrias que envolvem a maternidade deram origem ao nosso mais novo estudo “Mães #SEMFILTRO”.

Durante 12 semanas, 30 mulheres das classes ABC, de várias regiões do Brasil nos confidenciaram, através de uma comunidade online, como é tornar-se mãe de primeira viagem, essa mãe que tem filho entre 0-2 anos, está em uma fase de novas experiências em sua vida, seja como mulher ou como consumidora – e sabemos que as marcas que conseguem entrar em suas vidas neste momento tão especial (e agradar) têm grandes chances de permanecer em seu dia a dia.

No momento de nossa pesquisa, convidamos 21 empresas para participar com perguntas de interesse que viraram tarefas a serem exploradas dentro de uma comunidade digital.

“Desromantizar” a maternidade é preciso. As novas mães brasileiras não se sentem representadas e estão retirando todos os filtros e falsas ideologias da imagem da mãe-perfeita, aquela que você certamente já assistiu nos comerciais.

Ela não quer ser cobrada pela mídia ou por terceiros, mas reconhe que existe uma auto cobrança em tempo integral, e não mede esforços para mostrar como é uma ótima mãe. Seu dia a dia é cheio de tarefas e, sob sua ótica, mais sobrecarregado que o das mães de antigamente.

Além disso, o estudo traz vários insights para a indústria e conta: qual o papel dos pais neste momento? Em quem as mães confiam para dar dicas do dia a dia? O que priorizam para a alimentação e nos cuidados higiênicos dos filhos? Qual impacto da maternidade em suas finanças? Entre outros temas.

Esta mãe está exausta mas ainda assim, muito feliz.

Venha conferir no teaser do estudo o porque ser mãe é padecer no paraíso!