A elaboração de um questionário de pesquisa é um dos melhores caminhos que a sua empresa pode tomar para chegar às melhores decisões, pois é a partir dele que se torna possível pensar em estratégias que estejam alinhadas não apenas com as suas intenções como marca, mas também com o que o seu público procura e quer consumir.

E como é a sua construção? Trata-se de um formulário de perguntas bem orientadas e pensadas para esclarecer as maiores dúvidas do seu negócio e que deve ser respondido por um público de perfil específico. Essas respostas irão fornecer dados imprescindíveis que irão orientar toda a equipe de marketing nas decisões que se seguirão no projeto.

Nesse artigo do Instituto QualiBest você vai saber em detalhes o que é um questionário de pesquisa, com dicas de como elaborar um modelo que atenda às necessidades da sua proposta, além de debater qual a sua importância e o que deve ser evitado para que a abordagem possa ser um sucesso.

Qual a importância do questionário de pesquisa?

Entender quais são as principais tendências e motivações que levam os consumidores a comprar, sem sombra de dúvidas é o principal objetivo de um questionário de pesquisa, que quando bem elaborado é capaz de compreender o comportamento do público entrevistado nas mais diversas fases da jornada de compra, desde o estágio de conscientização, no qual ele percebe uma necessidade, passando pela fase de consideração, onde ele passa a “investigar” sobre suas opções para suprir a necessidade criada, até a fase de decisão, em que ele adquire o produto ou serviço propriamente dito.

Todos os estudos relativos à sua importância revelam que os questionários são feitos principalmente para encontrar os porquês de cada ação ou linha de pensamento de um público-alvo.

Mesmo com mecanismos cada vez mais úteis como os modelos de “Big data”, que fornecem uma gigantesca base de dados demográficos e de hábitos digitais (comportamento durante a jornada de compra, atividades em redes sociais, sites acessados, entre outros) muitas perguntas ainda podem ficar sem resposta e por esse motivo, um “olhar” mais aproximado se faz necessário.

Logo, um questionário ganha ainda mais relevância nas tomadas de decisões individuais, como para saber se sua empresa deve ou não veicular uma determinada campanha ou mesmo para criar um produto ou serviço. Visto que a metodologia fornece números concretos, sobre o perfil de consumidor desejado.

Qualquer empresa que busque fortalecer sua imagem deve estar em constante adaptação às mudanças do mercado e tendo em conta que tais mudanças provocam novos questionamentos, as soluções podem ser mais facilmente encontradas através de um questionário de pesquisa.

Tipos de perguntas para o questionário

Possivelmente você já deve ter notado que para nortear, não apenas as perguntas que serão feitas em um questionário de pesquisa, mas também, todas as ações que serão tomadas durante o projeto é necessário que as perguntas corretas sejam feitas.

Com isso em mente, você deve ter notado que a primeira dica para elaborar um bom questionário está em definir o objetivo da pesquisa, uma situação na qual a empresa deseja explorar e solucionar.

Uma vez que o problema central tenha sido descoberto é o momento de pensar no método que será adotado de acordo com as intenções do estudo. As perguntas devem ser eleitas de acordo com o tipo de pesquisa de mercado pretendido. No blog do Instituto QualiBest você encontra diversos conteúdos relevantes que irão te ajudar entender quais são os principais tipos de pesquisa de mercado e a sua importância em cada tipo de projeto.

Podemos ainda dividir os tipos de perguntas em duas categorias distintas: perguntas fechadas, geralmente utilizadas em pesquisas quantitativas focadas principalmente em obter dados estatísticos, com uma amostragem maior e perguntas abertas, características de pesquisas qualitativas, passíveis de interpretação (normalmente utilizada no início de um projeto de pesquisa de mercado para fornecer os parâmetros iniciais mais importantes) e utiliza uma amostragem menor.

Dentro dessas duas categorias as principais variações usadas em um questionário são:

  • Perguntas de múltipla escolha

Como o nome sugere é um tipo de enquete que permite a escolha de uma ou mais opções existentes em uma lista.

Dada suas características mais flexíveis e de fácil entendimento, esse modelo de pergunta costuma ser muito utilizado nas pesquisas de mercado, podendo representar um ou mais itens de acordo com o objetivo do projeto. Além disso, ela pode limitar ou não as escolhas dos respondentes.

Em outras palavras, ajuda a identificar as preferências de um grupo ou indivíduos, com o objetivo de tornar mais simples, inclusive, a quantificação dos dados obtidos. Porém, como nem todas as perguntas podem atender o que o respondente gostaria é importante separar uma lacuna em branco para opiniões distintas, caso seja necessário para os seus objetivos;

  • Perguntas dicotômicas (Sim ou Não)

Os questionários que contém apenas duas opões de respostas, são chamados de dicotômicos e fornecem opções de respostas como: sim ou não, verdadeiro ou falso, concordo e discordo, entre outros.

Nesse modelo é importante que o pesquisador evite realizar perguntas que condicionem o comportamento do respondente, ou seja, ao invés de afirmar algo, como “Rações naturais são as melhores para cães de raça, certo?”, deve-se utilizar “Você concorda que rações naturais são melhores para cães de raça?”. Não esqueça de formular perguntas claras e objetivas, que não facilitem interpretações duplas.

  • Perguntas matriz

Esse tipo de pergunta fechada pede que os respondentes façam uma avaliação de um ou mais itens utilizando a mesma escala.

O objetivo é tornar o processo de resposta mais simples, pois permite que diversas perguntas para um mesmo questionário sejam respondidas por uma mesma escala e conjunto de opções de coluna, permitindo que as matrizes sejam tanto de resposta única como de múltipla escolha.

O tipo mais utilizado para perguntas em escala é a Likert, uma variação da pergunta tipo matriz, que concede disposições diferentes para cada opção de resposta, para que então a escala de avaliação possa calcular a média ponderada de maneira automática.

Um exemplo comum do emprego desse método são perguntas como “Qual seu nível de concordância com determinado assunto: concordo totalmente, concordo, não concordo nem discordo, discordo e discordo totalmente”;

  • Perguntas de resposta única (RU)

Os questionários RU permitem apenas que seja escolhido um tipo de resposta, por exemplo: Qual a renda mensal da sua família?  Até 2 salários mínimos, de 2 a 5 salários mínimos, mais de 5 salários mínimos.

Esse tipo de pergunta não permite que nenhum participante declare ter mais de uma faixa salarial mensal, por esse motivo o método é conhecido como resposta única.

Outro uso comum para o método é em pesquisas de satisfação de cliente com o Net Promoter Score (NPS), em relação a um produto ou serviço;

No entanto, como dissemos no início do tópico, a escolha das variações de perguntas em seu questionário vai depender dos seus objetivos.

7 dicas para criar um questionário de pesquisa

O primeiro passo para elaborar um questionário que atenda todas as expectativas do projeto é definir os objetivos da pesquisa, ela vai determinar o sucesso da ação, por isso é necessário ter o máximo de clareza para obter os resultados esperados.

A ideia é desenvolver perguntas de acordo com o que a sua empresa deseja saber, seja sobre tendências de um setor e as suas chances de crescimento ou investimento em prol da tomada de estratégias mais adequadas ou mesmo para entender como a campanha de um produto ou serviço seria recebida pelo público-alvo.

Mas além disso, a construção de um questionário de pesquisa deve respeitar outras etapas igualmente importantes, tais como:

  • Ter um público-alvo definido

Uma vez que você já saiba quais respostas gostaria de receber é hora de saber exatamente de quem essas respostas deverão vir. Escolher o público-alvo da pesquisa vai impactar diretamente no seu êxito.

Lembre-se que o respondente deve poder entender bem as perguntas e se identificar com elas para que as respostas sejam sinceras e verdadeiras. Essas características tornam imprescindível saber com quem se está falando.

  • Seja simples

Para conseguir repostas honestas e verdadeiras e fazer com que os respondentes se identifiquem e se importem com a pesquisa é preciso torná-la interessante, para isso, manter a simplicidade do questionário é fundamental.

Além do mais, mesmo que o tema seja interessante, não são todos os envolvidos na pesquisa que se mantém engajados por horas, por isso é importante ser direto e conciso, caso isso não ocorra, pode haver uma consequência óbvia: a desistência dos participantes, o que pode gerar prejuízos para a sua empresa, além de influenciar diretamente na qualidade da pesquisa;

  • Explique o motivo da pesquisa

Explicar o porquê da pesquisa assim que o estudo tem início ajuda a manter o engajamento e interesse dos participantes, pois faz com que eles entendam qual papel terão em todo o processo e conscientizem-se da sua importância, a fim de evitar que haja desistências inesperadas;

  • Use uma linguagem familiar

Essa etapa conversa diretamente com os 3 primeiros pontos que levantamos, formular perguntas que se valham de uma linguagem que faça sentido para os respondentes é fundamental, por isso deixe o vício de linguagem e jargões comuns do marketing de lado, se o seu público não for familiar com isso e fale de uma maneira que eles entendam. Assim, as chances de os participantes criarem uma identificação com a pesquisa serão maiores;

  • Formulando as perguntas

Por mais que a formulação das perguntas seja uma etapa óbvia ela não pode acontecer sem que antes alguns parâmetros sejam estabelecidos, como o objetivo, motivo e público-alvo da pesquisa. Esses pontos devem sempre serem considerados para que as perguntas não fujam do que foi proposto.

Mas essas não são as únicas etapas que requerem atenção, ao elaborar as perguntas é importante seguir outras etapas, como: a clareza, objetividade e simplicidade nas perguntas e os tipos de perguntas que serão feitas, que como falamos anteriormente podem ser abertas ou fechadas, dependendo do objetivo e tipo de pesquisa de mercado (qualitativa ou quantitativa);

  • Aposte em recursos adicionais para o questionário

Não existe um modelo obrigatório e engessado para criar um questionário de pesquisa, por esse motivo é comum e aconselhável apostar em outros recursos para complementar a pesquisa e melhorar o engajamento dos respondentes, principalmente se o tema abordado for mais sensível.

Além do texto introdutório que explica o porquê da pesquisa utilize vídeos e imagens com decorrer do questionário, essa estratégia pode ser usada até mesmo se a sua intenção não for realizar um teste de conceito, pois deixam o processo mais dinâmico e interessante;

  • Teste seu questionário

Agora que as etapas principais estão prontas é o momento de testar seu questionário, o objetivo é garantir que o projeto como um todo seja um sucesso, por isso revise todo o conteúdo, leia novamente todas as perguntas e opções de resposta para ter a certeza de que está exatamente como planejado.

Para testar o questionário escolha um pequeno número de pessoas que correspondam ao perfil de respondentes e quando terminarem anote o tempo que foi gasto para responder e procure saber como eles se sentiram a respeito das perguntas, se algo estava confuso ou se havia erros. Assim as chances de triunfo serão maiores.

Para nós do Instituto QualiBest informação é sinônimo de sucesso, considere criar um questionário com o máximo de dedicação e atenção aos detalhes e caso sinta que há uma lacuna ou algo similar, não hesite em entrar em contato conosco e conversar com um de nossos especialistas.

 

 

  • Marcas fazem parte do dia-a-dia das pessoas.

    Entender como as marcas se conectam às pessoas, suprindo necessidades e desejos, conscientes ou não, é um trabalho tão inspirador quanto a motivação de torna-las cada vez mais relevantes.

    Para entender elementos racionais e emocionais, combinamos dados e observação ao contexto que as marcas estão inseridas. Trilhamos caminhos juntos, descobrindo os fatores que permeiam a imagem e o território das marcas, gerando insights inspiradores e recomendações claras.

    Entre em Contato

  • Experiências estão em toda a parte.

    Oferecer uma experiência relevante aos consumidores em um mundo omni-channel, com rápida experimentação de novas tecnologias, também é missão nossa.

    Pessoas transitam entre lojas físicas e ambientes digitais, contextos culturais e relações sociais e nós utilizamos uma variedade de recursos, técnicas e metodologias para analisar estas vivências de diferentes ângulos. Não deixamos nada para trás, hábitos e atitudes, comportamentos, valores, fatores de escolha e opinião.

    Estamos de olho em todo o processo e contexto, assim, fundamentamos nossas recomendações estratégicas e táticas, para a tomada de decisões, em todos os pontos de venda do cliente.

    Entre em Contato

  • Facilitando campanhas eficientes.

    Pesquisas inteligentes e bem executadas trazem novos caminhos para inovação e criatividade na comunicação. Sabemos que quando se trata de mídia, tudo joga a favor do conhecimento.

    Grandes marcas e agências utilizam nossas metodologias para entenderem o desempenho de suas campanhas ontem, hoje e amanhã.

    Nossa inteligência digital permite o uso das mais avançadas tecnologias de pesquisa em pré e pós testes de campanhas. Podemos avaliar como uma ideia funcionará para determinados meios, veículos, canais, públicos, etc. Conhecemos o cenário de mídia e atendemos anunciantes e agências de forma flexível e customizada.

    Entre em Contato